O Sonho de um Homem Ridículo #46

0P_20170814_135636_HDR

 

Autor: Fiódor Dostoiévski
Editora: 34
Páginas: 16
Formato: Epub

 

 

Talvez porque na minha alma viesse crescendo uma melancolia terrível por causa de uma circunstância que já estava infinitamente acima de todo o meu ser: mais precisamente – ocorrera-me a convicção de que no mundo, em qualquer canto, tudo tanto faz.

Tudo tanto faz. Esse é o sentimento do homem retratado por Dostoiévski nesse pequeno conto. É simples, mas muito intenso, muito profundo. As reflexões iniciais do homem ridículo são como um soco no estômago de todo aquele que exala uma solidão profunda travestida de felicidade gratuita.

O homem ridículo tem amigos, vizinhos, família. Mas o mais importante: ele sabe que todos são falsos, que querem apenas rir da cara dele, rir da vida humilde e vazia que ele leva. O mundo para ele tanto faz, porque quem o rodeia tanto faz.

E não era por andar mergulhado em pensamentos: sobre aquilo que eu tinha para pensar, já então cessara completamente de pensar: tudo me era indiferente.

Certa noite chuvosa, ao retornar para casa, o homem ridículo encontra com uma pobre e solitária menina que, encharcada até os ossos, pedia-lhe ajuda, suplicava por auxílio. Em seu mundo cinza, o homem se zangou, esbravejou e despachou a pobre menina sem nenhum remorso. Para ele, a menina estava no caminho certo para conhecer o mundo e as pessoas como elas são: indiferentes.

E como tudo lhe era indiferente, a vida se transformou em um fardo e o suicídio se tornou uma opção que flertava com ele todas as noites, diante da torpe luz da vela que insistia em olhar para ele junto com o revólver que mantinha sobre a mesa.

Dou-me um tiro e não há mais mundo, pelo menos para mim. Sem falar ainda de que, talvez, não vá haver realmente nada mais para ninguém depois de mim, e todo o mundo, assim que se extinguir a minha consciência, vai se extinguir no mesmo instante, como um fantasma, como um atributo apenas da minha consciência, e, porque vão sumir, talvez, todo esse mundo e toda essa gente – só eu é que existo.

E então ele adormece, coisa que não fazia a muito tempo, e viaja através do universo até chegar a uma outra Terra. Neste planeta tudo era perfeito, tudo estava em perfeita harmonia, a humanidade, os animais, a natureza. Não havia ódio, rancor, inveja ou indiferença. Ele fica estupefato com a possibilidade de existir um mundo como aquele, tão diferente quanto ao que ele conhecia. Contudo, ao acordar, o homem ridículo lembra que antes de deixar aquele mundo perfeito ele causou a desordem, inseriu a mentira, a inveja, a luxúria, e transformou aquele mundo perfeito numa cópia exata de seu mundo real.

Mas algo havia mudado e a indiferença do homem ridículo deu lugar à uma esperança sem medida, a ponto dele se levantar e sair em busca da pobre menina da noite anterior para ajudá-la. Talvez por perceber sua verdadeira humanidade, o homem descobriu que mesmo destruindo tudo e todos a sua volta ele soube que o movimento contrário dependia apenas dele.

Mas por acaso não dá no mesmo, seja isso um sonho ou não, já que esse sonho me anunciou a Verdade? Pois, se você uma vez conhece a verdade e a enxerga, então sabe que ela é a verdade e que não há outra e nem pode haver, esteja você dormindo ou vivendo. Ora, que seja um sonho, que seja, mas essa vida que vocês tanto exaltam, eu queria extingui-la com o suicídio, e o meu sonho, o meu sonho – ah, ele me anunciou uma vida nova, grandiosa, regenerada e forte!

As reflexões sobre indiferença e sobre o que é a verdade são fantásticas. É a primeira vez que leio Dostoiévski e me senti intensamente imerso na história. Me vi na indiferença do homem ridículo e em tudo o que ele passou. Dostoiévski é intenso, essa é a percepção que tenho. Esse livro, na verdade, contém outro conto, A Dócil, mas com o tempo escasso, essa resenha fica para depois. Porque é claro que quero mais Dostoiévski na minha vida, sem dúvida.

Na imagem destacada o quadro do pintor norueguês Edvar Munch, de 1891, chamado Melancolia.

Comprar:

Amazon

Até a próxima!

Anúncios

6 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s