Um Escândalo na Boêmia #4

P_20181222_142527_MT_1.jpg

Editora: Martin Claret
Ano: 2011
Páginas: 24

Para Sherlock Holmes, ela é sempre a mulher. Raras vezes o ouvi mencioná-la usando outro nome. A seus olhos, ela ofuscava todas as outras mulheres, sobressaindo entre elas. Não porque sentisse por Irene Adler algo parecido com amor. Sua inteligência fria e precisa, porém admiravelmente equilibrada, abominava todas as emoções, em especial o amor. Acredito até que Sherlock Holmes seja a máquina de observar e raciocinar mais perfeita que o mundo já conheceu. Como namorado, porém, não teria sido o mesmo. Todavia, uma mulher o impressionou: essa mulher foi Irene Adler, que deixou uma lembrança duvidosa e discutível.

Nesse conto, Conan Doyle apresenta a primeira aparição do único personagem que conseguiu desconcertar Sherlock Holmes: Irene Adler.
Tudo começa quando um homem misterioso bate à porta de Holmes implorando por ajuda. Logo o detetive descobre que se trata o príncipe herdeiro da Boêmia. Segundo a vítima, ele estava sendo chantageado por uma mulher que estava de posse de uma foto onde os dois apareciam juntos. O problema não era o romance antigo, mas o fato de que o príncipe da Boêmia se casaria com a herdeira do Reino Nórdico, que não toleraria um escândalo caso essa foto se tornasse pública.

Quando ouço a explicação de seus raciocínios, tudo me parece tão ridiculamente simples que acho que eu mesmo poderia fazê-lo com facilidade. No entanto, sempre que me dá um novo exemplo de sua maneira de raciocinar, fico estupefato até que me exponha seu método.

Holmes então traça seu plano: se infiltrar na casa de Irene Adler e descobrir onde ela guarda a foto e pegá-la. Com tudo combinado com Watson, ele se transforma em um padre anglicano e finge um mal súbito na porta da casa de Irene. Diante de toda a confusão, Watson joga uma bomba de fumaça na casa e após os gritos de “fogo!” Holmes consegue descobrir onde a carta está. Segundo seu raciocínio, quando algo apresenta perigo a pessoa sempre salvará sem bem mais valioso, e Irene imediatamente se dirigiu para o esconderijo da foto.

Holmes não tinha trocado somente de roupa: sua expressão, suas maneiras e até sua alma pareciam modificar-se a cada novo papel que assumia. O teatro perdeu um ator maravilhoso e a ciência perdeu um pensador brilhante quando ele decidiu especializar-se em assuntos criminais.

Mas qual não foi a sua surpresa quando, ao voltar no dia seguinte para surrupiar a foto, descobriu que a mesma não estava mais lá. E não só isso: Irene havia fugido com o seu novo esposo e levara a foto como garantia de sua segurança. No lugar deixou uma outra foto sua. Foto que Holmes fez questão de guardar para lembrar da única mulher que conseguiu passá-lo para trás.

Na imagem destacada Portrait of Wenceslas II of Bohemia, de Marcello Bacciarelli – 1771

Esse conto faz parte da coletânea As Aventuras de Sherlock Holmes, que você pode adquirir na Amazon.

Até a próxima!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s